sábado, outubro 08, 2005

Pirar na Batatinha

"Batatinha quando nasce
se esparrama pelo chão.
Mamãezinha quando dorme
põe a mão no coração"



Quem escreveu esse poema, com certeza foi alguém que não imaginava a enorme repercussão que sua singela obra teria. Será que ele (ou ela) realmente escreveu isso? Ou será que apenas falou? (assim como jesus falou e seus discípulos escreveram). Seriam esses versos, consequência de uma bebedeira entre amigos? Ou teriam sido professados pela boca de um mendigo louco, que passava as noites gritando para as pessoas ao redor de uma pracinha? Pior, terá sido fruto da imaginação de uma criança de 4 anos de idade, que rabiscava as paredes da casa e pensava estar fazendo arte? Sinceramente, eu não sei! Porém, mais imporatnte que a fonte de tão grandiosa obra de arte, é sua mensagem.

Vamos analisar "batatinha quando nasce" (será esse o título verdadeiro?).

1° verso: Batatinha quando nasce.
O autor começa confundindo. De que espécie de batatinha se trata? Batata inglesa? Batata Baroa? Batata do Mc Donald's? Só sabemos que é uma batatinha, pequena e singela, recém nascida. Trata-se da batata em sua gênese, seu nascimento, a batata pura e inocente (sem agrotóxicos, pois o poema é antigo).

2° verso: se esparrama pelo chão
Esse é talvez o verso mais importante da obra. Se não sabemos de qual batata se trata, sabemos o que ela faz: se esparrama pelo chão. E essa informação é extremamente importante nesse mundo globalizado e capitalista em que vivemos: saber que quando a batata nasce (assim como as melancias), se esparrama pelo chão. Poucas pessoas atualmente têm a oportunidade de conhecer uma plantação de batata! (Eu, mesmo tendo vivido a infância no interior nunca conheci!)

3° verso: mamãezinha quando dorme
Aqui tudo começa a ficar claro: assim como a batatinha nasce, a mamãezinha dorme (e não é uma mãe qualquer, é a mamãezinha doce e cândida), e quando ela dorme acontece algo. Nessa parte há o suspense: já sabemos que a batatinha se esparrama pelo chão quando nasce, mas o que faz a mamãezinha quando dorme?

4 verso: põe a mão no coração
O autor fecha com chave de ouro! Assim como a ingênua batatinha se esparrama pelo chão, a mamãezinha, num gesto de amor profundo, de desprendimento aos bens materiais, demostra toda a sua pureza colocando a mão no coração! Se à primeira vista, se esparramar pelo chão e pôr a mão no coração, não têm muito comum, aqui descobrimos que isso não é verdade: as duas ações ocorrem simultaneamente, são sincronizadas e têm o mesmo significado: a ingenuidade desses dois seres - batatinha e mamãezinha.

Terminada esta análise, não temos outra opção, senão aclamar o autor do que talvez seja a maior poesia de todos os tempos da língua portuguesa (que inlusive deveria ser traduzida para outos idiomas). Mais explicações não são necessárias, afinal poesias não devem ser explicadas, e sim sentidas.
Viva a batatinha! Viva a mamãezinha! Viva a batata frita, cozida, assada, recheada, souté, chips, palha, doce, purê...
e Viva a poesia!

*2 considerações: 1°escrevi isso enquanto terminava o fichamento de um livro.
2° Eu realmente adoro batata!

14 comentários:

tatimoon disse...

eu não li isso.

eu não li isso.

eu não li isso.

raquelli disse...

nhaaa
viva a batataaaa!!!!!!
hj eu n comi batata;;
qse tds os dias eu como batara..
akelas do potinho sempre foram transgênicas??
quem garante q mendel jah n modificava batatas geneticamente??
pffff.... to falando bobagem, neh??
taum dxa pra lahh
bjuuuu

André disse...

tah bom, tah bom,...apesar de jah tr falado com vc no msn sobre o texto, eu conheço a lógica bloguística e sei como comentários são importantes....
teorias e análise de coisas que parecem idiotas são sempre mtu bem vindas por mim......na maioria das evzes essas coisas nãosão tão idiotas assim....
e, como a gnt falou sobre mendigos,..e como vc acabou de falar sobre mendigos,..tem um livro que eh mtu bom e que engloba tds esses assuntos pseudo-ignorantes: O livro das Ignoranças, de Manuel de Barros.'
É mtu mtu bom...no mais, boa semana em Moc....bju bju

Ismael disse...

O que o fichamento não faz com as pessoas...
P.S.:Quero realmente comer batata frita agora

Anônimo disse...

O poema tá errado... Batatinha quando nasce, ESPALHA RAMAS PELO CHÃO, NENÊZINHO quando dorme, põe a mão no coração.

quelli disse...

tá nada!!!!
é mamãezinha qdo dorme msm!!!
pelo menos conheci assim!!
--------
nannam, vc esqueceu d por as versões nas várias linguas. uahauhauha
eu sei q vc jah fez issu!!
uhuhuhuhuh
bjuuuuuu

belasapori disse...

aii cristo,adorei a sua imaginação viu,ahuahauahaua.
:)

Jack disse...

É....
acho que você está começando a ficar viciada em análise semiótica....
procure o seu analista....
tisc tisc

Aninha disse...

esse lance do esparrama ou espalha rama eh bem antigo. mas continuo.

nada amis natural do que nascer, certo? a batata nasce, esparrama (ou espalha rama) pelo chão. tão natural quanto isso seria o que? sim sim sim ! o que eles chaam de INEGÁVEL amor materno. pois nada tão natural quando o "nascimento" da batata quanto o amor da mãe. algum gesto simboliza isso melhor que por a mão no coração? é um gesto tão obvio!!!! =) e por isso esse poema eh eterno!!!!

Chuves da Silveira disse...

doidinha doidinha

Lígia disse...

mto bom Fê!!!!!!!!!

Cláudia disse...

1º o verso está errado;
2º o autor não é desconhecido;
3º suas conclusões não são válidas por não serem baseadas em informações válidas;
4º pesquisar antes de postar não dói.

acesse: www.vidaempoesia.com.br/silvioromero.htm

ChOquiTo! disse...

issu leva a um fato interessante...

batata pode causar dores cardiacas a noite durante o sono!

=]

Benilton Luz disse...

Pra acabar de vez com esta confusao de disse me disse.

Batatinha quando nasce espalha a rama pelo chão.
menininha quando dorme põe a mão no coração.
Sou pequenininha do tamanho de um botão,
carrego papai no bolso e mamãe no coração
O bolso furou e o papai caiu no chão.
Mamãe que é mais querida ficou no coração.
Fernando Pessoa

"Leiam Livros. O melhor caminho