quinta-feira, outubro 20, 2005

Que lindos olhos, que lindos olhos tem você!


Um dia quando fui devolver um livro na biblioteca da fafich, vi um pequeno livrinho na estante, cujo título era "jornalismo cultural". Na hora não pude pegar o livro emprestado, mas depois voltei lá e peguei.
Eu já fiz teatro na escola, já fui do coral, já fiz oficina de fotografia, gostava das aulas de educação artística, tentei aprender flauta doce, aprendi alguma coisa de teclado e tive uma única aula de violino.
Eu devo minha paixão às artes, primeiro a mim mesma (claro, paixão é uma coisa que brota de dentro da gente), mas também à minha ex professora de educação artística, teatro, coral (a míriam, lá de Montes Claros). Mesmo trabalhando numa escola, com crianças e adolescentes que não levavam as coisas muito a sério, ela se entregava muito ao que fazia, mergulhava de cabeça nas suas idéias, e eu acabei querendo ser assim.
O problema é que me fizeram acreditar (ou eu mesma fiz isso, não sei), que eu não tinha talento pras "artes". E fui deixando tudo de lado, sem me aprofundar em nada. Mas aí me falaram que eu escrevia bem, e eu vim parar no jornalismo. E empolguei com esse tal jornalismo cultural, porque é uma forma de estar bem perto do que eu gosto (arte). Mas continuo achando que não sei muita coisa sobre arte.
Mas isso não significa que eu não tenha bom gosto. Por isso, ainda tenho esperança de poder dar minha opinião sobre o que é produzido por aí.
Descobri recentemente minha paixão pelo folclore. E pelo teatro que utiliza técnicas circenses. Descobri isso depois de ver o grupo galpão na praça da cadetral (em montes claros), na globo (num seriado que passou na páscoa, há um certo tempo), e depois de ver "hoje é dia de maria".
Infelizmente, por motivos alheios à minha vontade, não vi a segunda jornada da série. Mas o que vi da primeira foi bastante pra dizer que, dessa vez, a globo acertou em cheio. Pra começar o elenco era muito bom (O diabo e a Maria foram uma "dulpa" tanto). Depois o cenário, bem teatral mesmo, diferente daquela coisa de minissérie, novela e tudo que há na tv. As músicas eram lindas o enrendo puro folclore. Quando vi aquilo, pensei estar de novo nos anos 60, quando se transmitia teatro pela TV. "Hoje é dia de Maria" é absolutamente teatral e folclórico, a melhor minissérie que já vi (não só na globo), diferente de tudo. E o mais legal é que o povo gostou! Gostou tanto que a globo teve que repetir a dose.
Dizem que o povo não gosta de cultura, mas isso não é verdade. O problema é que cultura parece estar apenas nos filmes do tarantino, do Kubrick. A cultura está em todo lugar. E que coisa linda é a cultura popular, os congados e reinados do nordeste, os catopês, O banzé( grupo de dança), o museu do folclore (tudo isso de Montes Claros), os livros do Graciliano Ramos, o artesanato da beira do são francisco, as carrancas (as carrancas são feias, mas são arte), zé coco do riachão. O nordeste tem cultura, tem gente que produz, tem história pra contar.
Por detrás daquela seca, se esconde um mundo maravilhoso, que infelizmente está se perdendo.
Porque "esse povo da capital" (sem querer generalizar, mas já generalizando), acha que cultura é só a osquerta sinfônica tocando no palácio das artes (isso também é legal, mas é só um lado da moeda), e isso influencia o povo do interior, que acha que cultura tá lá longe, na capital e não dá valor ao que tem.
Uma pena!
Eu espero poder colaborar de alguma forma, a resgatar a cultura do meu povo. Por enquanto vou lendo "jornalismo cultural" e apredendo que o popular nem sempre é pop, o pop às vezes é popular e a cultura é pop, popular ou erudita, mas está em todo lugar.

p.s.: Montes Claros todo ano tem o "festival internacional do folclore", que traz grupos de dança folclórica de várias partes do mundo (china, arábia, polônia, uruguai, chile, entre muitos outros), e de vários estados do país. Sempre que posso eu vou. O público adora, e a platéia sempre lota.
p.s.2: desculpem o regionalismo, mas eu amo a minha cidade e preciso mostrar pro "mundo" que lá tem muita coisa legal.

12 comentários:

tatimoon disse...

aêeee, Nanam!!!!
me mata de orgulho, prima!!!
ar-ra-sou!!

maior orgulho que tenho é ter nascido mineira, e mineirar as riquezas desta nossa terra batida, mas nunca abatida das mazelas da terra. que, como digo, "sensibilidade e auto-conhecimento não são virtudes; são calos" e, de tão calejado esse povo que já tanto andou na história das Gerais, cultura é coisa que vai se impregnando na pele. espessa morena.

beijo arteiro nocê!!! [cada dia melhor]
;)

Jack disse...

Excelente!
Phernanda, cada vez mais phoda!
Adorei o texto! E boa sorte na carreira de jornalista-cultural!

Lu disse...

Jornalismo cultural eh uma coisa linda...assim como jornalismo literário...meu Deus...saia de chita...chinelo de dedo...chorinho,congado...o problema,como vc disse,eh q mta gente não dá valor à isso...a não ser ao q se torna um ícone pop,como as havaianas...mas tem uma moçada bem bacana q jah sabe q a cultura faz parte da gente e a gente faz parte dela e tah batalhando pra não deixar morrer essas tradições e costumes tão lindos!!
Beijos Fê

raquelli disse...

nannam, qui lindoooo!!!
ow.. tenho q concordar q eles realmente acertaram em "hj é dia de maria",... pq td mundo gostou..
incrivellll...
tipo... nessa 2 jornada, nem pud assistir.. só o 1 dia... começava com "se eu fosse um pxinho e soubesse nadar, tirava a maria lá do fundo do mar"... mto lindo..
dp uma intertextualidade com a história da menininha da cxinha de fósforos (essa qse ngm conhece, ms eu amava qdo pkena, conhece??) ow... mto legal msm..
dp vc fala das carrancas!!! uhuhuhuuuu
minha terrinha banhada belo rio são francisco.. pela qual n demonstro tamanho apego, ms guardo em meu coração...
ahhhhhh saudades d vc!!!
isso renderia gdes assuntos...
eu to torcendo pra vc alcançar tds os seus sonhos... e concordo com o colocado...
e um dia, jura q me dará um autográfo???/
bjuuuuu

André disse...

aaaaaaa..oie Cristo,....porra...gradei muito do que c escreveu. Mesmo. Tenhu um puta orgulho de ter uma ascendencia no vale do Jequi e um dos principais motivos é esse - a riqueza cultural daquele povo, com seu sincretismo artístico- religioso mega aflorado. As festas do Divino, de Nssa. Senhora, com os congados e etc,...os "corais" das lavadoras de Almenara e Araçuaí. Acho realmente muito legal e muito importante preservar a identidade e considerar a relevancia desses movimentos, que perduram até hoje e são um espaço de resistencia praquele povo.
Acho que é só isso linda.....bju grande pro c e boa sorte no Jornalismo Cultural. Ateh!!

belasapori disse...

Ei cristo!
o texto fikou lindissimo,lindo mesmo,quase chorei,hauahaua
:)
sem gracinha,adorei.
qdo ficar famosa,n eskec d mim n ta?
Bjim

coleta seletiva disse...

[pow, bulaxxa, atualiza isso aê.]

;]

Lígia disse...

to achando mesmo q vou ter q gravar um cd pra nossa performance na aula d expresaao.... hehehehehhehe
bjinho fe

Chuves da Silveira disse...

Legal o texto. Continue assim.

Eu tb quero trabalhar com jornalismo cultural. Foi pra isso que eu vim pra cá.

E eu fui festeiro na Festa do Rosário na cidade do meu pai.. hahahahhaha foi bem louco....

Mary Conga disse...

digamos que tudo é cultura ne. =)

aninha disse...

pq o que os sábios dizem eh verdade?
quem foi que deu o direito deles se chamarem assim, nao é?
pq só é bom o que tem sotaque?
:T
posta, menina!

ibok disse...

Parebens pelo blog, gostei muito!.
Ha tempos estou procurando quem de ajude a lembrar o nome e o autor de uma música que escutei na minha adolescencia a qual me traz lindas lembranças. So lembro de um parte que diz:"que lindos olhos lindos olhos tem vocé, se eu reparasse reparasse a mais tempo, nao amava nao amava que amei". Vocé conhece a música? Muito obrigado, e desculpas pelo mau uso do belo idioma portugués. Saudaçoes, Miguel Angel